quarta-feira, outubro 11, 2006



Plácidamente no seu cativeiro, Camilo, rasgou a madeira, com suas unhas, para escrever a sangue, o nome da amada.

Teresa David

foto tirada por mim na cela onde Camilo esteve aprisionado no Porto.

10 comentários:

Conceição Paulino disse...

plácidamente, Ana Plácido....
Bjs amiga.
Luz e paz em teu caminhar e ao teu redor

Marta Vinhais disse...

E diz-se que Ana significa "presente de Deus" e para ele, Camilo, ela foi...
Ao ponto de deixar o nome dela gravado...
Linda a mensagem...
Beijos e abraços
Marta

Paúl dos Patudos disse...

O amor quando é sentido, tem destas coisas.
Bjos amiga
Continuarei a visitar este seu cantinho, sempre!
Ana Paula

Era uma vez um Girassol disse...

Ana, como eu...
Interessante esse pormenor, desconhecia!
Bjs

Licínia Quitério disse...

Não conhecia. Quando a dor rima com amor, as marcas fazem-se com sangue.
Beijos, Teresa.

Diafragma disse...

Impressionante!

Vitor Lopes disse...

As coisa que se aprendem

por um fio disse...

Bonita a tua fotografia Teresa!
As palavras também são muito bonitas! Tive pena quando o texto acabou...
:(

a rasar o ceu disse...

belíssimo.

bom dia T.


(obrigada pelas idas ao Piano)

AS disse...

O amor em tudo quanto ele tem de irracional...

Um beijo...