segunda-feira, outubro 16, 2006




OPIATO

Entre a tontura e a vertigem

Antevi o teu enleio

Avancei, esmoreci,

E desisti pelo meio

No meio de tanto torpor,

Nem mãos, pernas, cabeça,

O meu olhar alcançou,

Apenas um pormenor

Consegui reconhecer,

Muda, queda, em terror,

Achei que ía morrer,

Pois seu pé se ergueu,

E afinal era um pássaro

Cantando seu apogeu

"Ópiometria" da névoa

Que nos faz entorpecer,

A falsa paz se instala

Na vontade de viver.

Teresa David - foto minha do Mar, e pés retirados da Net

11 comentários:

Marta Vinhais disse...

Também está muito poético - gostei muito.
As fotos estão muito bem enquadradas com o tema.
Beijos e abraços
Marta

AS disse...

Lindo poema Teresa!... e a imagem está fantástica...

Um abraço!

Ana Luar disse...

Um enquadramento foto/poema fantástico....

A. Pinto Correia disse...

Gostei do poema.
Beijinhos Teresa

Paúl dos Patudos disse...

As fotos e o poema, completam-se
Parabéns
Bjos
Ana Paula

Su disse...

gostei de ler.te
jocas maradas

hfm disse...

Gostei muito de ler!

Conceição Paulino disse...

entre o:gostei de ler e o está bonito, direi: estranho e forte poema. E das pocas vezes k me faz pensar na génese do mesmo.K palavra, gesto, acontecimento, som, memória, cheiro, etc.., o despoletou nesta conjugação. ...
Claro k não é uma pergunta, é um questionamento k o poema me faz.
Um muito bom dia.
Bjs
Luz e paz em teu caminhar

Maria Carvalho disse...

Palavras e fotografias excelentes! Obrigada por passares nas romãs. Beijos para ti.

O Chaparro disse...

passei p dizer olá e covidar p ver novo blog de fotos:
omundoporosteusolhos.blogspot.com

bjo

Unknown disse...

Belo poema e excelente foto a do mar.

marinhjeiroaguadoce a navegar