domingo, outubro 29, 2006




CAMINHOS

Quando o corpo se estende

é cansaço

mas também pode ser

o Amor

corro e percorro

o esguio do teu corpo

atravesso o deserto

da rota da Seda

Cedo e deslizo

nas dunas de areia

Canso e descanso

na beira do oásis

Caio no sonho

do sono tranquilo

Durmo e desperto

no dia que vem

Teresa David-1985

Fotos de Michael Martin retiradas do livro "Desertos de África"

15 comentários:

por um fio disse...

Lindissimo este poema!
«Quando o corpo se estende é cansaço mas também pode ser o amor...» Que imagem tão linda e soa a música nos nossos ouvidos...

Marta Vinhais disse...

Lindo - pode ser tanta coisa....
E o deserto não é tão "deserto" como parece - esconde mistérios poderosos............
Gostei muito Teresa.
Obrigada pela partilha.
Beijos e abraços
Marta

Tozé Franco disse...

Obrigado pelas fotos e pelo belíssimo texto...
Um abraço.

Paúl dos Patudos disse...

O amor é quase tudo
e tão lindo e puro
e...

adorei

daqui te mando um xi coração
Ana Paula

Titá disse...

Lindo! Mágico.
Adorei este seu cantinho. Vou voltar

Carla Augusto disse...

Vim aqui por acaso... e gostei do que vi.
Hei-de voltar!
Parabéns pelo blog!

Maria Carvalho disse...

Gosto do que escreves...já te disse, mas lidos à distância de mais de 20 anos, actuais...a Poesia é assim. Beijinhos.

M. disse...

Muito bonito, Teresa.

por um fio disse...

Teresinha, faz uma visita aqui...
http://soprarpalavrasaovento.blogspot.com/2006/10/flores-por-amizade.html

:)

AS disse...

Lindo poema!... A pureza das palavras são o oásis que falta nesse deserto!


Um abraço...

Era uma vez um Girassol disse...

Gostei imeeeeeeeeeenso!!!!!
Fotos e poema.
Beijinho

a rasar o ceu disse...

e de repente voltei lá.....aos meus desertos....


obrigada Teresa....


beijo.


tudo perfeito!!!!!!!!!!


(piano)

Conceição Paulino disse...

desculpa.
O erotimo do poema,..., a ele terei k voltar.
Colocas-me o deserto á frente e eu já nem tenho + olhar.
É uma estranha e forte atracção. Ficaram-me os olhos por lá.
Voltarei com venda e sem olhar para o deserto só atirarei para as plavras.
Bjs.
luz e paz em teu caminhar

Licínia Quitério disse...

Que lindíssimas fotos. E um poema quentiiinho a acompanhá-las.

Beijinho.

Vitor Lopes disse...

regressei aos vivos, é sempre um prazer passar por aqui.
beijos